domingo, 22 de maio de 2016

Vigésimo segundo dia de meditação do mês de Maria

assumption-of-the-virgin_2c-by-francesco-granacci---1517

Maria é, às vezes, a última esperança dos pecadores
Lê-se no livro de Rute (2, 3) que Booz permitiu a uma mulher por nome Rute respigar, indo atrás dos segadores. Aqui sugere Conrado de Saxônia: Como Rute achou graça aos olhos de Booz, assim Maria achou graça diante de Deus, para recolher as espigas abandonadas pelos segadores.
Estes últimos são os operários evangélicos, os missionários, os pregadores, os confessores, que com as suas fadigas continuamente colhem e amealham almas para Deus. Almas há porém, rebeldes e obstinadas que são abandonadas por eles. Só a Maria é dado salvar, por sua poderosa intercessão, essas espigas largadas no campo. Mas quão infelizes são as almas que nem por esta doce Senhora se deixam apanhar! Estas, sim serão com efeito perdidas e amaldiçoadas. Bem aventurado, ao contrário, quem recorre a esta boa Mãe. Pecador algum, tão perdido e tão viciado há no mundo, diz Blósio, que Maria o aborreça e despreze. Não; se lhe vier pedir socorro, ela sabe e pode reconciliá-lo com seu Filho e alcançar-lhe o perdão.
É, pois, com razão, ó minha Rainha que S. João Damasceno vos saúda como esperança dos desamparados. Com razão vos chama S. Lourenço Justiniano esperança dos delinqüentes; e o Pseudo-Agostinho, único refúgio dos pecadores; S. Efrém, porto seguro dos náufragos, ajuntando que sois até protetora dos répobros. Finalmente tem razão S. Boaventura,* ao exortar à esperança até os mais desesperados, enquanto cheio de ternura diz amorosamente a sua Mãe caríssima: Senhora, quem não há de confiar em vós? Vós socorreis até os desesperados. Não duvido – ajunta – que sempre que a vós recorremos, alcançaremos quanto quisermos. Em vós, pois, espere quem desespera.
EXEMPLO
Antonino conta o seguinte de um homem que vivia da inimizade de Deus. Pareceu-lhe certa vez que compareceria perante o tribunal de Jesus Cristo. De um lado acusava-o o demônio, enquanto que Maria o defendia. O inimigo apresentava ao pecador a lista de seus pecados, a qual, posta na balança da divina justiça, pesava mais que todas as boas ações. Mas que fez então a sua grande advogada? Estendeu a sua compassiva mão e, pondo-a sobre a balança, fê-la inclinar a favor do seu devoto. E assim lhe fez entender que ela lhe alcançava o perdão, se mudasse de vida. Com efeito aquele pecador, depois de tal visão mudou de vida e se converteu.
ORAÇÃO
Venero, ó Santíssima Virgem Maria, o vosso puríssimo Coração, delícia e repouso de Deus. coração todo cheio de humildade, de pureza e de amor divino. Infeliz pecador, venho a sós com o coração todo manchado e chagado. Ó Mãe de piedade, não me desprezeis por me vedes assim, mas redobrai de compaixão e socorrei-me. Não busqueis em mim para ajudar-me nem virtude, nem méritos. Estou perdido e só mereço o inferno. Peço-vos que só olheis para a confiança que tenho em vós e para o propósito em que estou de emendar-me. Diante de vossos olhos coloco o quanto Jesus fez e padeceu por mim. Abandonai-me, se fordes capaz.
Apresento-vos todos os sofrimentos de sua vida, o frio que padeceu no presépio, a sua fuga para o Egito, o sangue que derramou, a pobreza, os suores, a tristeza, a morte que suportou por meu amor, estando vós presente. E por amor de Jesus empenhai-vos em salvar-me.
Ah! Minha Mãe, não quero nem posso recear ser repelido, agora que recorro a vós e vos peço que me ajudeis. Se isto temesse, faria injúria a vossa misericórdia, que anda buscando miseráveis para os socorrer. Senhora, não recuseis vossa piedade àquele a quem Jesus não recusou seu sangue. Mas os merecimentos deste sangue não me serão aplicados, se não me recomendardes a Deus. De vós, pois, espero a minha salvação. Eu não vos peço riquezas, honras, nem outros bens da terra; peço-vos a graça de Deus, o amor para com vosso Filho, o cumprimento de sua vontade, e o paraíso para amá-lo eternamente. Será possível que não me ouçais? Não; vós já me entendestes, assim espero. Já me procurastes a graça que pretendo. Já me tomastes sob vossa proteção. Minha mãe, não me deixeis; continuai a rogar por mim até me verdes salvo no céu, para louvar e render-vos as devidas graças eternamente. Amém.
Trecho da meditação é retirado do livro “Glórias de Maria”, de Santo Afonso de Ligório.
Parte I, explicação da Salve Rainha – As abundantes e numerosas graças dispensadas pela Mãe de Deus aos que a servem devotamente.
Cap. III Esperança Nossa, Salve – Maria é a esperança de todos os homens – .

Nenhum comentário:

Postar um comentário