domingo, 15 de julho de 2018

Quem são as 7 mulheres mencionadas na Oração Eucarística da Missa?

PRIEST AT ALTER

Conheça a história das santas mencionadas pelo padre depois da consagração

Quando o padre adota a Oração Eucarística I, ele tem a opção de recitar uma lista de santos antes e depois das palavras sagradas da consagração. Trata-se de uma lista antiga, que foi mudada poucas vezes ao longo dos séculos.
A primeira lista da Missa destaca a Santíssima Virgem Maria, São José, os 12 apóstolos e outros 12 santos da Igreja primitiva. Depois da consagração, o sacerdote recitará outra lista de 15 santos, incluindo sete mulheres. Mas quem são elas? Conheça um pouco sobre a vida destas santas:
– Santa Felicidade: foi uma jovem escrava do século II. Depois de ficar grávida, Felicidade foi perseguida pelos romanos por sua fé cristã e condenada à morte, juntamente com Santa Perpétua, na arena onde aconteciam os jogos públicos.
St Perpetua AND St Felicity
Fr Lawrence Lew, O.P. | CC BY-NC-ND 2.0
– Santa Perpétua: era uma nobre de Cartago e foi jogada na mesma prisão que Felicidade por se recusar a abandonar a sua fé cristã. Ela relatou sua experiência em um diário até o dia de sua morte.
– Santa Águeda: uma jovem que, em idade tenra, escolheu Jesus como seu cônjuge.  No século III. Águeda foi perseguida por ser cristã e colocada na prisão. Sofreu várias torturas até a sua morte. Foi altamente venerada na Igreja primitiva e acredita-se que, por sua intercessão, uma cidade italiana tenha sido protegida de um vulcão devastador um ano depois que ela morreu.
SAINTE AGATHA
Public Domain

SAINTE AGATHA: Originally from Catania (Italy), Agatha wanted to devote her life to Christ and remain a virgin. The Roman prefect of Sicily, who was attracted to her, tried to seduce her. She resisted his advances, so the prefect sent her to a brothel. Luckily, she managed to stay a virgin. She ended up being tortured: she was tied head down to a column, and her breasts were torn off with a pincer. On the following night, Saint Peter visited her in her prison and healed her. She ended up being dragged on hot coals until she died.
– Santa Luzia: Nascida no século III, Luzia dedicou sua virgindade a Cristo quando ainda era criança, mas sua mãe não estava ciente disso e arranjou um casamento para a menina. Ela se recusou por causa de seus votos. Porém, o homem com quem ela deveria se casar a denunciou por ser cristã. Isso a levou a um horrível martírio. Conta-se que seus olhos foram arrancados antes mesmo de ela ser morta.
LUCY
Public Domain
– Santa Inês: era filha de pais ricos e distintos membros da sociedade romana do século IV. Ela também se dedicou a Deus e se recusou a se casar. Aos 12 anos de idade, foi condenada à morte por sua recusa e por ser cristã. Seu nome significa “cordeiro” e, anualmente, em sua festa, dois cordeiros são abençoados pelo Papa. A lã deles é retirada na Quinta-feira Santa e, depois, utilizada na confecção do pálio que os arcebispos metropolitanos usam sobre os ombros.
AGNES
Public Domain
– Santa Cecília: Assim como Inês, Luzia e Águeda, Cecília era de uma família nobre do século II e também dedicou sua virgindade a Deus. Ela foi forçada a se casar, mas um anjo da guarda ajudou a preservar a sua pureza. Cecília foi condenada à morte por sua fé cristã e é popularmente conhecida como a padroeira da música por suas habilidades nesta arte. Diz-se também que ela frequentemente ouvia melodias do céu.
CECILIA
Public Domain
– Santa Anastácia: foi uma viúva romana do século IV. Depois da morte de seu marido, dedicou sua vida a atos de caridade e à prática de sua fé cristã. Durante a perseguição de Diocleciano, ela foi morta por suas crenças.
Public Domain via WikiPedia


https://pt.aleteia.org/2018/03/07/quem-sao-as-7-mulheres-mencionadas-na-oracao-eucaristica-da-missa/?utm_campaign=NL_pt&utm_source=daily_newsletter&utm_medium=mail&utm_content=NL_pt

O técnico da Croácia e o terço

ZLATKO DALIC

Zlatko Dalić, que lidera o primeiro time croata a chegar a uma final da Copa do Mundo, é um homem de fé

Zlatko Dalić fez história. É o técnico do primeiro time croata a chegar a uma final da Copa do Mundo de futebol. E conseguiu isso liderando uma equipe organizada, inteligente e forte, em que o coletivo sobressai ao individualismo. 
Bósnio, nascido nos tempos da ex-Iugoslávia, ele ficará para sempre ligado à história da equipe da Croácia. Dalić assumiu o comando do time há apenas um ano, quando a classificação para a Copa estava fortemente comprometida, apesar da atuação das estrelas como Luka Modrić, Ivan Raikitić, Mario Mandžukić e Ivan Perišić.
Na Copa da Rússia, a Croácia foi líder absoluta do seu grupo, vencendo a Nigéria, Argentina e Islândia. Isso fez com que ela passasse para as oitavas de final sem as ameaças de favoritos como Brasil e França. Depois, venceu a Dinamarca, Rússia e Inglaterra. Agora, enfrenta a França na final. 
Muito desse bom desempenho da Croácia se deve ao treinador, a quem os jogadores demonstraram muito afeto e gratidão após a vitória contra os ingleses. 
Dalić, de 51 anos, foi jogador profissional. Em 2005, virou técnico e, de lá pra cá, trabalhou em clubes da Croácia, Albânia, Arábia Saudita e dos Emirados Árabes.
ZLATKO DALIC
Alexey Filippov / Sputnik / AFP

A profissão o afastou, muitas vezes, de casa. E é por isso que ele sempre agradece à esposa pelo esforço que ela fez para cuidar dos filhos. Em uma entrevista dada a um jornal da Arquidiocese de Zagreb, o técnico falou sobre a valorização da família e a importância da oração:
“Cada um de nós, de uma maneira ou de outra, carrega sua cruz. Há momentos pesados na vida, em que o homem pode se render, afundar ou cair. Com fé, a pessoa pode voltar ao caminho correto. Para mim e para minha família, a fé é muito importante. Todos os domingos, tento ir à Missa. A fé me dá força. Sempre tenho um terço no bolso e rezo antes de cada partida”,  revelou Dalić.
Aliás, uma foto tirada durante a Copa mostra o técnico procurando um terço no bolso, ao qual ele se apega com muita devoção.
Outro jogador do time finalista que nunca esconde sua fé é Mateo Kovacić. “Não tenho problemas em dizer que acreditar [em Cristo] me dá força, me ajuda a jogar melhor”, disse o atleta, que também é um assíduo peregrino do santuário de Medjugorge, na Bósnia-Herzegovina. 

https://pt.aleteia.org/2018/07/13/o-tecnico-da-croacia-e-o-terco/

OS DOIS ERROS MAIS COMUNS AO SE REZAR O TERÇO OU O ROSÁRIO

Resultado de imagem para santo rosário
São Luís Grignion de Monfort
Para bem recitar o Rosário, após invocar o Espírito Santo, colocai-vos, por alguns instantes, diante da presença de Deus (…).
Antes de cada dezena, concentrai-vos por alguns momentos, segundo a vossa disponibilidade, para considerar o mistério que estais a celebrar naquela dezena e pedi, sempre, que, por esse mistério e pela intercessão da Virgem Santíssima, uma das virtudes que mais se destacam nesse mistério ou a virtude mais necessária para a vossa redenção.
Cuidai, principalmente, para não cairdes nos dois erros mais comuns cometidos por aqueles que rezam o Terço ou o Rosário. O primeiro é o de rezar sem pensar numa intenção, de maneira que, se perguntardes qual a intenção pela qual rezam o Terço, não saberão responder. Assim, deveis sempre ter em vista, ao recitar o Rosário, o pedido de uma graça, uma virtude à qual desejais vos assemelhar, ou algum pecado que desejais destruir em vosso coração.
O segundo erro que habitualmente cometemos, ao rezar o santo Rosário, é o de não ter qualquer intenção ao recitá-lo, a não ser a de terminá-lo rapidamente. Isso decorre do fato de olharmos o Rosário como algo oneroso, que pesa sobre nossos ombros, quando não o rezamos e, mormente, quando dele fazemos um princípio de consciência, ou quando o recebemos como penitência e sem vontade própria.
São Luís Grignion de Monfort, A eficácia maravilhosa do Santíssimo Rosário

sábado, 7 de julho de 2018

A peste, a fita de Nossa Senhora e o milagre

Nossa Senhora fita Valenciennes

Graças ao progresso da medicina, hoje nem imaginamos o pavor que despertava antigamente a palavra peste. Esta história nos dará uma ideia...

Com os progressos da medicina moderna, não temos ideia do pavor que despertava antigamente a palavra peste. O conhecimento do que são as bactérias causadoras da peste, como se propagam e como podem ser combatidas era praticamente nulo, e saber que a peste começou numa cidade era de apavorar.
No ano de 1008, na cidade de Valenciennes, norte da França, o pavor tinha razão de ser, pois em poucos dias morreram cerca de 8.000 pessoas!
Saber que a morte está por perto sempre torna as pessoas mais religiosas. Além disso, na França, as pessoas dessa época eram real e sinceramente religiosas. Nada estranha, então, que elas se tenham voltado ao Céu para pedir que as protegesse da peste mortal.
Havia perto da cidade um eremita de nome Bertelain, o qual também pediu à Virgem proteção para os habitantes. Nossa Senhora apareceu-lhe e disse que faria um grande milagre, visível para todos, na noite de 7 de setembro.
O eremita percorreu a cidade contando o fato e, na data marcada, a população encheu as muralhas, torres e lugares mais elevados. Nessa noite, efetivamente, no meio de uma grande luz bem visível para todos os habitantes, Nossa Senhora caminhou ao redor da cidade, deixando cair no trajeto uma fita vermelha.

A aparição e as testemunhas

Não se pense que foi coisa de um instante, ou que Nossa Senhora percorreu poucos metros: foram nada menos que 14 quilômetros – e a cidade inteira assistiu ao fato. Aliás, ao contrário de outras aparições, nas quais as fontes históricas são poucas, todas as crônicas da cidade e da época falam do ocorrido como sendo de notoriedade pública. Mais ainda: a fita ficou guardada em um relicário na cidade durante muitos séculos, até que, durante a Revolução Francesa, foi queimada. É que os revolucionários não querem saber de provas: com elas ou sem elas, seu ódio é igual contra Deus, a Virgem e a verdadeira Igreja.
E qual era a população da cidade na época?
Pergunta nada fácil de responder, dado que não havia os censos regulares de hoje. Há algum tempo, a população está estabilizada em torno de 40.000 habitantes. Mas é difícil calcular quantos eram no século XI. Em todo caso, para levantar uma cifra, suponhamos que fossem dez vezes menos: 4.000 pessoas, e que a peste tenha matado metade da população: isso faria com que ainda houvesse 2.000 pessoas vivas para ver a Virgem. É um grande número de testemunhas!

A procissão e o milagre

Nossa Senhora fez saber ao eremita o significado dessa fita: ela queria que, no dia seguinte, festa de sua Natividade, fosse feita uma procissão seguindo o percurso da fita; com isso, acabaria a peste. Se a procissão fosse repetida a cada ano, Nossa Senhora protegeria a cidade de outras pestes semelhantes.
No outro dia, a procissão foi realizada por toda a população da cidade e, de fato, a peste cessou. Até o dia de hoje é feita essa procissão, conduzindo-se uma imagem que representa Nossa Senhora a deixar cair uma fita.
Faz parte da procissão uma confraria medieval chamada Raiados de Nossa Senhora do Santo Cordão. Essa denominação é devida ao fato de que o seu traje é raiado de listas azuis e brancas.

Por que isso acontecia antes e não acontece mais nos dias de hoje?

Para entender o motivo, devemos primeiro observar que o milagre está intimamente relacionado com a fé. Um milagre costuma ser um prêmio pela fé com que se acredita ou se rezou, ou então é feito para fortalecer a fé.
Os milagres não ocorrem por motivos banais, pois o mesmo Deus que opera o milagre é o que fez as leis da natureza, das quais o milagre é uma suspensão. Seria contrário à sabedoria estabelecer leis que podem ou devem ser suspensas a todo momento.
Nossa Senhora intercede por milagres tendo como meta tornar as pessoas melhores.
Pensemos um momento no que aconteceria se, na cidade onde moramos, houvesse o mesmo que em Valenciennes: Nossa Senhora aparece no céu e todos a veem. Passado um primeiro momento de encanto, logo teria que haver uma melhora significativa na fé e na moral. Quantas pessoas estariam dispostas, em nossa cidade atual, a abandonar o seu modo de vida afastado de Deus ou contrário a Ele e passar a viver religiosamente? Mais ainda, quantos estariam dispostos a abandonar os seus vícios morais e reformar seriamente sua vida? Não haveria o perigo de, pelo contrário, as pessoas se revoltarem por ter que deixar de lado os seus roubos, mentiras, invejas, imoralidades, indecências?
Quem recebe um milagre e não muda fica pior do que era antes. Para que fiquem piores, Nossa Senhora certamente não vai aparecer. Isto nos leva a meditar quão longe estamos da feliz Valenciennes medieval, em que, por sua fé e virtudes, as pessoas mereceram ver a Virgem Maria.
Peçamos a ela que realize em breve a sua promessa do triunfo do Imaculado Coração, para assim podermos viver numa civilização realmente cristã.
_______
Adaptado de Valdis Grinsteins, “Catolicismo”, setembro de 2006, via blog Orações e Milagres Medievais, de Luis Dufaur

A relíquia do cinto de Nossa Senhora


Depois de ser elevada aos céus de corpo e alma, reza uma piedosa e antiga tradição que a Virgem Maria teria deixado um presente ao apóstolo São Tomé

Quem, saindo de Florença, percorre vin­te quilômetros em direção ao noroeste, encontra às margens do rio Bisenzio uma cidade industrial cu­jas fábricas lhe valeram a alcunha de “Manchester da Itá­lia”. Trata-se de Prato.
Essa cida­de, apesar da feiúra de suas indústrias e da simplicidade de seu nome, além de ter sido um pólo ar­tístico mui­to afamado da his­tó­ria da Tos­ca­na, abriga, em seu cen­tro velho, uma das relíquias mais tocantes da Mãe de Deus.
Resultado de imagem para A relíquia do cinto de Nossa Senhora
É bem conhecida a história de São Tomé, um dos doze Apóstolos, que por estar ausente quando da aparição do Senhor após a Res­surreição, não quis nela acreditar, apesar do testemunho de seus com­panheiros.
Só oito dias mais tarde, quando Jesus lhes apa­receu novamente, Tomé pôde constatar a verdade, colocando seus dedos na chaga do Salvador. Aí, sim, acreditou.
Passaram-se os anos e Tomé tor­nou-se um dos Apóstolos mais intrépidos, levando o Evangelho até os confins da Pérsia e da Índia. Segundo a bela tradição que chegou até nós [1], encontrava-se ele numa dessas longínquas regiões quando recebeu um recado de São Pedro, de que retornasse sem demora a Jerusalém, pois Maria, a Mãe do Senhor, iria deixá-los e desejava antes despedir-se de todos. Empreendeu Tomé a sua volta e mais uma vez chegou atrasado. A Mãe de Deus já havia su­bi­do aos céus [2].
São Tomé, mais uma vez levado pelo ceticismo, relutou em acreditar na Assunção da Santíssima Vir­gem e pediu a São Pedro que abris­se o sepulcro, para poder comprovar com os seus próprios olhos o ocorrido. Atendido o seu pedido, constatou que no túmulo vazio en­contravam-se apenas muitos lírios e rosas. Nesse mesmo momento, ao levantar suas vistas aos céus, Tomé viu Nossa Senhora na Glória, que, sorridente, desatou o cinto e lançou-o em suas mãos, co­mo símbolo de maternal bênção e proteção.
“O Sagrado Cinto”, representado na Catedral de Prato.
Este cinto é a relíquia que se ve­nera na Catedral de Prato. Chegou de Jerusalém no ano de 1141, trazido por Michele Dagomari, ha­bitante da cidade que estivera na Terra Santa. No começo, nin­guém deu muita importância àque­la re­lí­quia de autenticidade não comprovada. Mas em 1173 a Providência valeu-se de um fato extraor­di­nário para que todos a reconhe­ces­sem como verdadeira.
No dia de Santo Estêvão, o pa­droeiro da cidade, era costume co­locarem-se todas as relíquias em ci­ma do altar para com elas aben­çoar os doentes e endemoniados. Na ocasião, foi exposta também a caixa contendo o cinto de Nossa Senhora. Aproximaram então uma possessa que, no momento em que tocou a caixa começou a afirmar com insistência que esse cinto era da Santíssima Virgem, e no mesmo instante viu-se liberada de seu mal.
Resultado de imagem para A relíquia do cinto de Nossa Senhora
Iniciou-se então o culto público à sagrada relíquia. O próprio São Francisco de Assis, em 1212, este­ve com seus primeiros frades em Prato para venerá-la. Porém, se esse culto já conta com mais de oito séculos de história, a devoção ao santo cinto de Nossa Senhora é ainda muito mais antiga: foi instituída por Santo Agostinho, que de­terminou a constituição de uma Confraria do Santo Cinto, até hoje existente entre os agostinianos.
A relíquia é exposta à venera­ção pública cinco vezes ao ano: na Páscoa, nos dias 1.º de maio, 15 de agosto, 8 de dezembro e no Natal. Nessas ocasiões, ela é colocada no púlpito externo, à direita da Catedral, defronte à bonita pra­ça medieval da cidade.
Essa devoção faz com que Prato seja até hoje um dos lugares de peregrinação mariana mais frequentados da Itália.
Se você, leitor, algum dia passar por Prato, não deixe de entrar na Catedral — aliás, uma linda rea­lização do estilo gótico toscano — e procure do lado esquerdo a Capella del Sacro Cingolo, onde poderá venerar tão extraordinária relíquia. Peça à Santíssima Vir­gem as graças de que necessita e não deixe de admirar os maravi­lhosos afrescos onde estão retra­tados, além da entrega do cinto a São Tomé, outros episódios da vida de Nossa Senhora.
Maria, mãe das misericórdias ini­magináveis, quis mostrar a São Tomé e a todos nós que, mesmo sendo teimosos em acreditar, e ainda que estejamos imersos em nossas misérias, Ela sempre esta­rá dis­posta a fazer milagres portentosos para nos confirmar na Fé e atar-nos a Ela com seu Cinto, protegendo-nos com sua maternal ter­nura.

Referências

  • Texto publicado originalmente na Revista Arautos do Evangelho, Junho/2002, n. 6, pp. 15-17.

Notas

  1. A história da ausência de São Tomé à Assunção de Maria, bem como do milagre que se seguiu à sua “segunda incredulidade”, é uma tradição cuja veracidade é contestada, por exemplo, por São Jerônimo (cf. Tiago de Varazze, Legenda áurea: vidas de santos, São Paulo: Companhia das Letras, 2003, p. 663). Não é nem necessário lembrar, portanto, que o conteúdo dessa revelação não pertence ao depósito da fé. Os católicos, nessas circunstâncias, são chamados a prestar atenção aos sinais de confiabilidade dessa devoção, livres para aceitá-la ou não. O culto litúrgico de longa data a essa relíquia, no entanto, constitui sem sombra de dúvidas um fortíssimo argumento em sua defesa (Nota da Equipe CNP).
  2. Por outro lado, como se sabe, a Assunção de Nossa Senhora aos céus é de fé católica, como confirmado pelo Venerável Papa Pio XII na Constituição Apostólica Munificentissimus Deus, de 1950 (Nota da Equipe CNP).

Conheça 27 orações para rezar com as crianças


Ideias simples e eficazes para praticar com os pequenos

1- Com Deus me deito, com Deus me levanto, com a graça de Deus e do Espírito Santo.
2- Anjinho da Guarda, meu bom amiguinho, me leve sempre, pelo bom caminho.
3- Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege e guarda, governa e ilumina.
4- Meu bom Jesus, verdadeiro Filho da Virgem Maria, me acompanhai esta noite, e amanhã por todo o dia.
5- Ó Anjo da minha guarda, que me protege e ilumina ajude-me todo o dia a ser uma boa menina.
6- Anjo da minha guarda, doce companhia, não me desampare, nem de noite, nem de dia.
7- Em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. Amém! Jesus me ajude a pensar bem, falar bem e querer bem a todos.
8- Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém. Papai do céu, dai-nos uma boa noite. Menino Jesus dai saúde à mamãe, ao papai, aos meus irmãozinhos, aos meus avós e a todos nós. Dai lugar lugar no céu a … (dizer o nome de algum parente mais próximo que tenha falecido).
Com Deus me deito, com Deus me levanto, com a graça de Deus e o Espírito Santo.
Muito obrigado pelo dia de hoje.
Sagrado coração de Jesus, eu tenho confiança em Vós.
Sagrado coração de Jesus, protegei o Brasil.
Imaculado coração de Maria, sede a nossa salvação.

Rezar: Pai Nosso, Ave Maria, Glória ao Pai e Santo Anjo.
9- Visitai, Senhor, esta nossa casa e afastai para longe dela todas as ciladas do inimigo; nela habitem os Vossos santos Anjos para nos conservar em paz, e Vossa bênção sempre nos proteja. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém
10- Papai do Céu, logo que acordo penso sempre em você. Quero o Senhor abençoe o meu dia que começa e que você esteja junto comigo em todos os dias de minha vida. Obrigado Papai do Céu. Amém.
11- Meu Deus, eu te ofereço todo este meu dia. Ofereço ao Senhor trabalhos e os meus brinquedos. Tome conta de mim para que eu não faça nada que O aborreça. Amém.
12- Meu Jesus, me ajuda, nesse dia obedecer o papai e a mamãe e, não brigar com eles e nem com os meus amiguinhos. Amém
13- Senhor, eu te agradeço este alimento. Que nunca nos falte a comida na mesa de todos.
14- Ó meu bondoso Papai do Céu, queremos agradecer o lanchinho que agora vamos comer. Amém
15- Meu Deus, eu agradeço ao Senhor esta alimento que sua bondade nos dá. Dê também o necessário para todos. Abençoe os que trabalham para termos o que comer. Amém.
16- Jesus, Você nos mostra o Pai. Por sua causa, tudo foi criado: as pessoas e as coisas. Ajude-me no estudo, para que eu possa conhecer as coisas, as pessoas, o Pai do Céu. Amém
17- Jesus, vou para a escola, como o Senhor também foi. Que nada me aconteça no caminho. Quero aproveitar bem as aulas.Quero aprender bastante. Não se esqueça das crianças que não têm escola, e abençoe os professores e as professoras. Amém
18- Jesus, agradeço mais este dia de aula. Foi bom. Eu estudei, trabalhei e brinquei bastante. Agora me acompanhe até minha casa. Amém
19- Jesus, hoje eu vou ter provas na escola . Estudei bastante, mas posso perder a calma e esquecer tudo. Que o Espírito Santo que me ajude para eu me sair bem em tudo. Ajude também meus colegas e minhas colegas. Amém.
20- Meu Deus, eu agradeço este dia. Agradeço pelo bem que os outros me fizeram e pelo bem que eu pude fazer. Peço perdão pelo que eu não fiz direito. Amanhã, com sua ajuda, quero ser muito melhor. Amém
21- Meu Papai do Céu, eu andei errando, andei brigando. Não fiz as coisas direito… Mas, no fundo eu não gosto de fazer as coisas erradas. Por isso eu peço desculpa e vou fazer força para não errar de novo, mas fazer tudo bem certo. Amém.
22- Perdoa-me, Senhor Jesus, porque hoje senti ciúmes e raiva. tive raiva de meu irmãozinho e dos meus amiguinhos. Desculpa Senhor, porque hoje eu brigeui e disse coisas feias. Me ajuda a melhorar e não mais fazer coisas feias.
23- Papai do Céu, olha, por favor, por todos da minha família. Protege do mal, conserva com saúde minha casa, meu papai, minha mamãe e meus irmãos e nos dê a paz. Amém
24- Senhor Jesus, hoje meu paizinho não está muito bem. Não sei o que aconteceu com ele. Peço que o Senhor cuide dele, pra sarar rapidinho e a gente poder brincar juntos amanhã. Obrigado. Amém!
25- Senhor, hoje eu rezo pela minha mamãe. Que o Senhor dê forças para ela viver este dia. Meu Jesus, hoje minha mamãezinha está um pouco brava. Peço que amanhã ela fique feliz e, eu possa brincar com ela. Obrigado. Amém.
26- Querido Paizinho do Céu, quando rezo para ti, sinto meu coração feliz. É como o amor que sinto por papai e por mamãe quando os abraço antes de deitar. Obrigado pelo sentimento do amor. Amém!
27- A noite vem, o sol já foi embora. Jesus e Anjinho da Guarda, fiquem comigo nesta boa hora… Livra-me de todo medo da noite, de dormir… Protege do mal e de sonhos ruins. Tira, Jesus, o medo de vampiros e fantasmas, monstros e seres que assombram os meus pensamentos. Pelo seu amor por mim, amém!

(via O Mensageiro)

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Oração para oferecermos o nosso coração a Nossa Senhora

Imaculado Coracao de Maria

"Quero que ele seja sempre vosso e do vosso querido Filho, meu Senhor Jesus Cristo"

Santíssima Virgem Maria, Mãe de meu Jesus,
eu, o mais indigno de todos os pecadores, prostrado a vossos pés na presença de Deus Onipotente e de toda a corte celeste, vos apresento e ofereço meu coração com todos os seus afetos.
Eu o dedico e consagro a vós em sacrifício perene e quero que ele seja sempre vosso e do vosso querido Filho, meu Senhor Jesus Cristo.
Mãe amorosíssima, aceitai a sincera e devota oferta que vos faz este vosso indigno filho e fazei que eu principie desde agora e continue sem interrupção a viver unicamente para Deus e para vós. Assim o espero, assim o proponho, confiando nos auxílios da divina graça, que vossa eficaz proteção e amorosa assistência me afiançam.
Jesus e Maria, recebei meu tíbio coração e colocai-o entre os vossos santíssimos corações para que, inflamado em vosso ardente amor durante o tempo de minha vida, se abrase depois em suavíssimos afetos para convosco no Céu, em companhia dos Anjos e dos Santos.
Amém.
___________
Oração postada pela Associação Santo Agostinho