segunda-feira, 9 de maio de 2016

Oitavo dia de meditação do mês de Maria

21-mary-baby-jesus1

Grandeza de seu amor para conosco
E porque todos os homens foram remidos com o sangue de Jesus, por isso Maria a todos ama e favorece. Viu-a S. João vestida de sol: Apareceu também um grande sinal no Céu, uma mulher vestida de Sol (Ap 12, 1). Pois assim como não há na terra quem se possa esconder do calor do Sol, assim também nela não há vivente que seja privado do amor de Maria, escreve o Abade de Celes.
“Não há quem se esconda de seu calor” (Sl 18, 7), isto é, da chama de seu amor. Pergunta aqui S. Antonino: Quem será capaz de compreender a solicitude do bem-querer de Maria a todos nós? Por isso a todos oferece e dispensa a sua misericórdia. Nossa Mãe sempre desejou a salvação de todos, e sempre para ela cooperou. Afirma-o também S. Bernardo com as palavras: É notório que Maria foi solícita para com todo o gênero humano. É, portanto, muito recomendável a prática de alguns devotos de Maria, os quais, como refere Cornélio a Lápide, costumam pedir ao Senhor lhes conceda aquelas graças, que para eles lhe pede a Santíssima Virgem. E com razão, diz o citado a Lápide, pois a nossa Mãe deseja-nos bens maiores do que nós mesmos poderíamos desejar. O devoto Bernardino de Busti afirma que Maria deseja fazer-nos bem, e conceder-nos favores, ainda mais do que nós desejamos recebê-los. Aplica-lhe por isso S. Alberto Magno estas palavras da Sabedoria: Ela se antecipa aos que a desejam e se lhes patenteia primeiro (Sb 6, 14). Antecipa-se Maria a quantos a ela recorrem, para que a encontrem antes que a busquem. É tal o bem-querer alvoroçoso desta Mãe, diz Ricardo, que vem logo ao nosso socorro, mal descobre as nossas precisões. Tão boa Mãe é, pois, Maria para todos, até para os ingratos e indiferentes que pouco a invocam e amam! Que Mãe será então para aqueles que a amam e com freqüência a invocam? “Facilmente é achada pelos que a amam” (Sb 6, 13).
Oh! Quanto é fácil, continua S. Alberto Magno, àqueles que amam a Maria, o achá-la e achá-la toda cheia de piedade e de amor! “Eu amo aos que me amam” (Pr 8, 17). Ela protesta que não pode desamar a quem a ama. E ainda que esta amantíssima Senhora ame a todos os homens com seus filhos, contudo, diz S. Bernardo que sabe reconhecer e preferir os que com mais ternura a querem. Esses ditosos servos não só dela são amados, mas também servidos, assevera o Abade de Celes.
A crônica da Ordem Dominicana conta-nos que o irmão Leodato de Montpellier usava recomendar-se duzentas vezes por dia a essa Mãe de Misericórdia. Jazendo ele moribundo, apareceu-lhe uma bela rainha e assim lhe falou: Leodato, queres morrer e vir para junto de meu Filho e de mim? Quem sois vós? – perguntou-lhe o religioso. – Sou, respondeu ela, a Mãe de Misericórdia; invocaste-me tantas e tantas vezes! Agora venho buscar-te para ires comigo ao céu. Faleceu Leodato nesse mesmo dia e com a Virgem seguiu, como esperamos, ao reino dos bem-aventurados.
ORAÇÃO
Ó doce Soberana, vós, conforme a expressão de S. Boaventura, arrebatais os corações dos que vos servem, cumulando-os de vossa ternura e liberalidade. Eu vos suplico: arrebatai-me também o meu pobre coração que muito deseja amar-vos. Pela vossa beleza, ó Mãe, atraístes o vosso Deus, ao ponto de fazê-lo descer do céu à terra; e eu viverei sem vos amar? Não; antes vos digo com vosso amante filho João Berchmans: “Não me darei repouso, enquanto não tiver obtido amor terno e constante a vós, ó minha Mãe”, que com tanta ternura me tendes amado, ainda quando eu não vos amava. E que seria de mim, se vós, ó Maria, não me tivésseis amado e alcançado tantas misericórdias? Se, pois, me amastes quando eu não amava, que devo esperar da vossa bondade agora que vos amo? Sim, amo-vos, ó minha Mãe, e quisera ter um coração capaz de vos amar por todos os infelizes que não vos amam. Quisera ter uma língua capaz de louvar-vos por mil línguas, para fazer conhecer a todo mundo a vossa grandeza, a vossa santidade, a vossa misericórdia, e o amor com que amais os que vos amam. Se tivera riquezas, todas quisera empregar em vos honrar; se tivera súditos, todos quisera fossem cheios de amor para convosco; quisera enfim sacrificar pelo vosso amor e glória, se fosse mister, até a minha vida! – Amo-vos, pois, ó minha Mãe; mas ao mesmo tempo receio que vos não ame, porque ouço dizer que o amor faz os que amam semelhantes à pessoa amada. Devo então crer que bem pouco vos amo, vendo-me tão longe de parecer convosco. Vós sois tão pura, e eu tão imundo! Vós tão humilde, eu tão soberbo! Vós tão santa, eu tão mau! Mas isto, ó Maria, é o que vós haveis de fazer: já que me tendes tanto amor, tornai-me semelhante a vós. Para mudar os corações, tendes todo o poder; tomai, pois, o meu e mudai-o. Conheça o mundo o que podeis em favor dos que amais. Tornai-me santo e fazei-me digno filho vosso. Assim espero, assim seja.
Trecho da meditação é retirada do livro “Glórias de Maria”, de Santo Afonso de Ligório.
Capítulo I, explicação da Salve Rainha – As abundantes e numerosas graças dispensadas pela Mãe de Deus aos que a servem devotamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário