quinta-feira, 22 de junho de 2017

Como entender e praticar a oração contínua?

"Devemos nos esforçar para ter, em nós, a alma da oração, que é o amor de Deus"

Três passagens do Novo Testamento falam da chamada “oração contínua” ou sem interrupção, Lucas 18,1; 21,36 e 1 Tessalonicenses 5,17.
Daí a questão: como entender e praticar a oração contínua, uma vez que todos temos atividades e descansos, incluindo, é óbvio, o sono, a nos impedirem de rezar dia e noite sem cessar? – São quatro as respostas oferecidas, sendo a última a mais próxima da realidade (cf. Dom Estêvão Bettencourt, OSB, no Curso de Espiritualidade. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 2006, p. 81-86).
primeira afirma o que segue: “Toda alma em estado de graça tem, por consequência, em si, o dom da caridade e está, portanto, em oração contínua”. Daí veio a ideia de que basta trabalhar pelo bem do próximo, sem cometer imperfeições por vontade própria, para estar unido a Deus em oração.
Em resposta a esta colocação, tem-se afirmado que ela contém uma lacuna, pois se podemos dizer – e podemos – que a fé sem as obras é morta (cf. Tg 2,18-20) e a caridade em tudo se faz importante (cf. 1Cor 13,1-13), não se pode abolir da vida cristã a oração propriamente dita, entendida como “elevação da alma a Deus”. O próprio Senhor Jesus dá exemplo da importância desse colóquio íntimo com o Pai: cf. Mc 6,5-6; Lc 6,12; Mc 1,35-37 e Mt 6,6. Ninguém está, portanto, isento de rezar.
segunda ensina que o ser humano deve ter a atenção voltada para Deus em um estado contínuo de contemplação a incluir o louvor, a adoração, a expiação e os muitos pedidos, seus e de outros.
Para contradizer a essa tendência, nota-se que tal estado de contemplação é algo para poucos e vai muito além de algum método (jaculatórias multiplicadas, postura corporal, mente dirigida a determinada coisa etc.), pois requer uma graça divina especial. Afinal, nesta vida nenhuma união com Deus é permanente, mas, sim, transitória ou sujeita a falhas. Não é, portanto, a via mais correta de oração contínua.
terceira propõe jaculatórias multiplicadas, ou seja, repetir muitas vezes orações curtas como “Senhor, Filho de Davi, tem piedade de mim pecador”, “Jesus, eu vos amo”, “Jesus e Maria eu vos amo, salvai almas” etc. Tal prática era muito usual entre os antigos monges, mas também este modo de oração contínua parece insuficiente aos teólogos, pois é interrompido pelo sono e pelos demais afazeres diários.
Dada a ineficácia dos métodos anteriores para estar continuamente em oração, Santo Agostinho de Hipona († 430) e São Tomás de Aquino († 1274), grandes teólogos e doutores da Igreja, propuseram a quarta formulação aceita e, por conseguinte, colocada em prática. Consiste, em resumo, no seguinte: antes de toda oração, existe o anseio de orar. Tal anseio é motivado ou tem a sua causa no amor a Deus a Quem devemos desejar antes de tudo o mais.
Portanto, como é humanamente impossível manter, na mente e nos lábios, alguma oração, devemos nos esforçar para ter, em nós, a alma da oração, que é o amor de Deus. De modo que “aquele que age sempre – no aqui e agora (intenção atual), em vista de (intenção virtual) e não apenas por hábito de (intenção habitual) – com amor ao Senhor está em contínua oração”.
Pergunta-se, porém: que significa, na prática, a definição dada? – Significa que em todos os atos da vida tem de haver a intenção atual (a produção de um ato de amor a Deus) ou virtual (fazer qualquer coisa lícita não por amor a essa coisa em si, mas a Deus), e não somente habitual (feito apenas por bom hábito, sem influência nos atos concretos) para que a oração seja contínua.
Importa, pois, que a cada hora do dia, ofereçamos, de modo consciente e com amor, todas as nossas atividades a Deus. Tal amor oferecido tornará o dia inteiro (preces vocais, trabalhos, recreações, sono, refeições etc.) do fiel um ininterrupto ato de amor, portanto, uma contínua oração como recomendou o Senhor Jesus em Lc 18,1.
Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo

Nenhum comentário:

Postar um comentário