Pular para o conteúdo principal

O povo da cruz e a cruz de Cristo: atração e repulsão

Por Leonardo Morais, Jr., OFA*


Há cerca de duas semanas o mundo tomou conhecimento da execução de 21 jovens cristãos egípcios pelas mãos do ISISI (Estado Islâmico do Iraque e Síria). O clima de indignação e repúdio espalhou-se rapidamente por todos os continentes logo que a organização terrorista divulgou o vídeo – produzido em alta qualidade – da decapitação de cada um daqueles prisioneiros. Nas legendas do vídeo, podia-se ver, em língua árabe, a “razão” ou o “motivo” de sua execução: “Povo da Cruz”. Isso me fez lembrar das epígrafes que os soldados romanos, por sugestão dos judeus, colocaram sobre a cabeça de Jesus, quando este estava dependurado na cruz: “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”. A morte do Messias foi, por assim dizer, identificada, ainda que jocosamente, com a sua missão e verdadeira identidade.


Entretanto, o que me chama à atenção, entre outras coisas, nesse triste episódio dos 21 mártires egípcios, é o modo como foram apresentados ao mundo pelos terroristas do ISIS: o “Povo da Cruz”! Isso mesmo! É algo fascinante e edificante à fé, mas que pode soar estranho a muitos cristãos ocidentais, principalmente os evangélicos de linhagem pentecostal ou neo-pentecostal, herdeiros da tradição anabatista, a qual desde seu surgimento, tem se insurgido contra os símbolos cristãos tradicionais e adotado uma postura iconoclasta muito firme. Outra razão porque boa parte das igrejas e denominações desse segmento desprezam esses símbolos remonta aos idos do Brasil Império (meados e fim do século 19), quando aos cristãos evangélicos, já em plena atividade e expansão missionária em nosso território, não podiam construir templos ou usar símbolos que caracterizassem o “novo culto” como igreja. Nessa época a Igreja Romana era religião oficial, então nenhuma outra igreja podia se assemelhar a ela externamente. O resultado dessa proibição, somado ao espírito anti-católico dos missionários norte-americanos oriundos do sul dos Estados Unidos, foi o estabelecimento e o cultivo de uma mentalidade preconceituosa e iconoclasta para com tudo que aparentasse ser “católico-romano”. Assim as vestes litúrgicas, os vitrais, os ícones, o uso da cruz e a persignação, entre outras marcas históricas do culto e da piedade cristãs foram suprimidos da prática evangélica que se impôs pelo Brasil afora.


Todavia, enquanto que a crucifobia se instalou no inconsciente coletivo de alguns segmentos do cristianismo evangélico, para os demais ramos do cristianismo histórico, a cruz tem sido por dois milênios o símbolo ou emblemapor excelência de sua fé. Por outro lado, infelizmente, em diversas igrejas e comunidades cristãs modernas insígnia da cruz tem sido desprezada e até substituída por símbolos de fé completamente alheios ao cristianismo. É possível, em muitas dessas igrejas e comunidades serem encontrados menorás (candelabros judaicos), estrelas de David nas paredes e tetos, bandeiras de Israel e da cidade de Jerusalém, líderes e leigos usando vestes e adereços judaicos, tocando shofar e tentando reproduzir cenas e festas típicas do judaísmo. Por vezes, diante desse quadro, ficamos na dúvida se, na realidade estamos ou não em uma igreja cristã genuína.


Ao serem questionados acerca do não-uso da cruz – e de outros símbolos tipicamente cristãos – alguns líderes e leigos dessas comunidades apresentam, quase sempre, dois tipos comuns de respostas: 1) “a cruz é símbolo de maldição” e 2) “não usamos pois é associação com a Igreja Católica Romana. 3) “o uso da cruz é uma prática supersticiosa”.


Bem, em resposta poderíamos fazer as seguintes considerações:


Em primeiro lugar, a cruz, embora tenha sido o instrumento de tortura e morte de Nosso Senhor, ganhou um novo significado à luz da obra redentora de Cristo. Foi na cruz que Cristo cumpriu os desígnios salvíficos de Deus. Ademais, não é possível encontrar, nas Escrituras, qualquer passagem que diga que a cruz (ou o “madeiro”) seja maldita. Na realidade, a bíblia declara o seguinte: “está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro”. Ou seja, quem está no madeiro é que é maldito, e não o madeiro em si. São Paulo nos diz que Jesus Cristo a si mesmo se fez maldição em nosso lugar! Sofreu todo o sofrimento que era nosso e recebeu em si toda a condenação que era nossa e desde então simboliza nossa completa absolvição das penas da Lei, é o maior símbolo da redenção dos eleitos de Deus.


Em segundo lugar, o uso do símbolo da cruz é tão antigo quanto a formação das primeiras comunidades cristãs. Alguns Pais da Igreja, como Tertuliano de Cartago e Hipólito de Roma, já nos séculos II e III respectivamente, já faziam menção à persignação (fazer o sinal da cruz sobre si mesmo), como práticas dos cristãos primitivos em forma de auto-identificação com a paixão do Senhor. Também, São Clemente de Alexandria, um representante da igreja oriental, no século III, chamava a letra T (tau), símbolo da cruz, de “figura do sinal do Senhor” (Stromateis, VI 11). Dessa forma, fica bem evidente que o símbolo da cruz era universalmente reconhecido pelos cristãos primitivos.


Em terceiro lugar, um símbolo não é a coisa em si mesmo, mas nos “lança” ou remete àquilo que ela simboliza. Ou seja, no caso da cruz, não devemos tê-la como se fosse a realidade significada, ou seja, como se fosse o próprio Senhor morto encerrado num objeto. É bem verdade que há distorções e abusos no uso do símbolo da cruz. Há quem venere e cultue o objeto em si. Há quem lhe atribua poderes e virtudes miraculosas. Práticas semelhantes, como uso supersticioso e banal de óleos ungidos, de amuletos judaicos, de palavras-passes (p.e., “paz do Senhor”), palavras de ordem ou jargões característicos (“tá amarrado”, “eu decreto”, “o sangue de Jesus tem poder”, etc.) também são bastante difundidas em algumas igrejas cristãs, porém igualmente condenáveis, e nada disso está de acordo com a fé cristã biblicamente fundamentada, que nos traz à memória, constantemente, as palavras de Jesus: “Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele darás culto.” (Mt 4:10). 


*Leonardo Morais, Jr., é frade da Ordem Franciscana Anglicana – OFA é responsável pelo Ponto Missionário Anglicano de Sto. Estevão Mártir, situado no Bairro São Miguel, Francisco Beltrão - PR.

http://projetolitourgos.blogspot.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Novena dos "54 terços"

A "Novena do Rosário de 54 dias" é uma ininterrupta série de Rosários em honra de Nossa Senhora, revelada à doente incurável Fortuna Agrelli, por Nossa Senhora de Pompéia, em Nápoles, Itália, no ano de 1884. Por 13 meses Fortuna Agrelli sofria de terríveis dores e nem mesmo os médicos mais célebres conseguiam curá-la. Em 16 de Fevereiro de 1884, a menina e seus pais começaram uma novena do Rosário. A Rainha do Santo Rosário a premiou com uma aparição a 3 de março. Maria sentava-se sobre um alto trono, contornado por numerosas figuras; trazia o Seu Divino Filho sobre o colo e na mão um rosário. Nossa Senhora e o Menino Jesus estavam acompanhados por São Domingos e Santa Catarina de Sena. O trono estava decorado com flores, a beleza de Nossa Senhora era maravilhosa. A Santa Virgem disse: "Filha, você me invocou com vários títulos e sempre obteve favores de mim. agora, posto que me invocou com o título que muito me agrada, 'Rainha do santo Rosário', não posso mais …

ALGUMAS FRASES SOBRE NOSSA SENHORA

"Deus reuniu todas as águas e chamou de 'mar'. Reuniu todas as graças e as chamou de 'Maria'! (São Luiz Maria Grignon de Montfort)

"São Bernardo diz que converteu mais almas por meio da Ave-Maria, do que através de todos os seus sermões" (São João Maria Vianney)

"Agradecemos a Nossa Senhora, pois foi ela quem nos trouxe Jesus. (São Pio de Pietrelcina)

"Jamais de ouviu dizer no mundo que alguém tenha recorrido com confiança a esta Mãe Celeste, sem que não tenha sido prontamente atendido" (Dom Bosco)

"Deus depositou a plenitude de todo o bem em Maria, para que nisto conhecêssemos que tudo o que temos de esperança, graça e salvação, dela deriva até nós" (São Boaventura)

"A maior alegria que podemos dar a Maria Santíssima é a de levarmos Jesus Eucarístico no nosso peito" (Santo Hilário)

"Sabemos muito bem que a Virgem Santíssima é a Rainha do Céu e da Terra, mas ela é mais Mãe que Rainha" (Santa Terezinha do Menino Jesu…

Oração a Nossa Senhora da Boa Morte

"Nossa Senhora, nossa mãe divina, precisamos de vosso auxílio e proteção mas uma vez. Vós que sofrestes a grande dor de perder vosso Filho, fazei-nos resignados perante os desígnios de Deus, ajudai-nos a descobrir o sentido da vida e da morte. Ajudai-nos a ter fé, a conversar com Deus e escutá-lo. Ó querida Mãe, abri vossos braços e abraçai...(fala-se o nome do enfermo) e concedei-lhe uma morte iluminada por Deus. Pedi a Deus que perdoe todas as suas faltas e seja misericordioso, socorrendo-o (a) na passagem para a vida eterna. Fazei-o (a) merecedora (o) na passagem da vida eterna junto a vós e a Jesus, seu Filho amado. Nossa Senhora da Boa Morte, peço-vos a graça de nos dar a força necessária para assumir, com amor, as horas difíceis a serem enfrentadas, aceitando a vontade de Deus, seus desígnios eternos e impenetráveis. Amém.
(Elam de Almeida Pimenttel)