sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

O amor cristão não é "amor de telenovelas"

Em sua Missa matutina, o Papa Francisco sublinha a concretude do amor cristão, no qual “é mais importante dar que receber”
Na homilia desta quinta-feira, na Casa Santa Marta, o Papa Francisco sublinhou a concretude do amor cristão. Comentando o trecho da Primeira Carta de São João – "Se nos amamos uns aos outros, Deus permanece conosco e seu amor é plenamente realizado em nós" (1 Jo 4, 12) –, ele explicou que "permanecer no amor" de Deus não é tanto um êxtase do coração, "uma coisa agradável de sentir":
"Veja que o amor do qual fala João não é o amor de telenovelas! Não, é outra coisa. O amor cristão tem sempre uma qualidade: a concretude. O amor cristão é concreto. O mesmo Jesus, quando fala de amor, fala de coisas concretas: alimentar os famintos, visitar os doentes e muitas coisas concretas. (...) E quando não há essa concretude, pode-se viver um cristianismo de ilusão, porque não se entendeu bem onde está o centro da mensagem de Jesus. Não chega esse amor a ser concreto: é um amor de ilusão, como esta ilusão que tiveram os discípulos quando, vendo Jesus, acreditaram que fosse um fantasma."
O Santo Padre disse que a confusão em identificar o verdadeiro amor é fruto de um coração insensível. "Se você tem o coração endurecido, não pode amar e pensa que o amor é imaginar coisas. Não, o amor é concreto". Ele também indicou dois critérios sobre os quais se funda esta concretude do amor cristão:
"Primeiro critério: amar com as obras, não com as palavras. As palavras são lançadas ao vento! Hoje elas são, amanhã não são. Segundo critério de concretude é: no amor é mais importante dar que receber. Aquele que ama dá, dá... Dá coisas, dá a vida, dá a si mesmo a Deus e ao outro. Mas quem não ama, que é egoísta, sempre procura receber, sempre quer ter coisas, ter vantagens."
A contraposição que o Papa faz do "amor cristão" e do "amor de telenovelas" mostra a grande deturpação que os meios de comunicação têm feito da verdadeira caridade. De fato, são muitos os mass media "que ridicularizam a santidade do matrimônio e a virgindade antes do casamento"01, degradando o amor a puro "sexo" e transformando-o em "mercadoria", "uma ‘coisa’ que se pode comprar e vender", o que, no fim das contas, mercantiliza "o próprio homem"02. Sem falar da tentativa claramente manifesta de passar à sociedade uma visão totalmente abstrata de família, o que equivale a nada menos que a sua destruição.
Ao contrário, o Papa Francisco recorda que "no amor é mais importante dar que receber". A medida do verdadeiro amor não são os sentimentos, mas a entrega fiel e constante de si ao bem amado. Por isso, diz-se que "o ágape exprime-se geralmente de um modo silencioso e duradouro, sem muito espetáculo"03: na doação de uma mãe que renuncia aos projetos de carreira para cuidar de seus filhos pequenos, no sacrifício de um esposo que batalha diariamente para sustentar sua casa e proteger o seu lar, no filho que ampara os seus pais na velhice etc. Este amor, embora escondido e marcado pela experiência do sofrimento, traz à alma a verdadeira alegria.
"Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos" (Jo 15, 13). Em um mundo onde as pessoas parecem valorizar mais o eros que o agape, os cristãos são chamados a seguir o exemplo de Jesus Cristo, que doou-se até o extremo da Cruz. Como diz São Francisco de Sales, "o Calvário é a montanha dos que amam".
Por Equipe Christo Nihil Praeponere | Informações: Rádio Vaticano

Nenhum comentário:

Postar um comentário