Batalha do Marne


A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

Gostaria de lhe falar de um rumor que percorreu a frente e as trincheiras em 1915 e 1916, sobre a batalha do marne. Este rumor estava a referir-SE ÀS APARIÇÕES DA SANTA VIRGEM NO DIA 8 DE SETEMBRO, que teria desempenhado um papel decisivo nesta reviravolta da situação dificilmente explicável, humana falando, devido ao estado de degradação moral e física dos combatentes.

Posso falar disso com conhecimento de causa, tendo participado na reforma da Bélgica até aos arredores de Paris. Os relatórios dos jornais publicados no final de agosto e início de setembro passado faziam alusão ao "milagre do marne", limitando-se a exaltar o sobressalto dos combatentes de 1914 que, em 8 DE SETEMBRO, tinha reprimido o invasor. .

" o documento que junto a esta carta e que caiu completamente no esquecimento, ilumina estes acontecimentos de um dia novo e dá a explicação deste mistério da reviravolta completa da situação no dia 8 de setembro de 1914.
" é um corte do jornal da época, o correio da manga, número de 8 de Janeiro de 1917, que relata o que teriam dito dos alemães feitos prisioneiros após as lutas de 5 a 8 de setembro de 1914. "

Aqui está um testemunho preciso, da Sra. Tripet-Nizery, viúva do capitão tripet, morto em combate em 4 de setembro de 1916: ela declarou que sendo enfermeira na ambulância da Escola Politécnica, de finais de 1914 a junho de 1916 , recebeu um ferido que tinha participado na batalha do marne do lado francês; disse-lhe: "Quando tivemos a ordem de voltar para a frente, uma mulher de branco, diante da trincheira, treinava-nos".

O correio, diário de Saint-Lô, publicou, em 8 de Janeiro de 1917, uma carta datada de 3 de Janeiro de 1915.

" um padre alemão, ferido e feito prisioneiro na batalha do marne, morreu numa ambulância francesa onde se encontravam freiras. Ele disse-lhes: " como soldado, devo manter o silêncio; como padre, creio ter de dizer o que vi. Durante a batalha, ficámos surpreendidos por sermos reprimidos, pois éramos legião comparados com os franceses, e queríamos chegar a Paris.
" mas vimos a virgem virgem toda vestida de branco, com um cinto azul, inclinada para Paris... Ela virou-nos as costas e, com a mão direita, parecia afastar-nos. "

Dois oficiais alemães, prisioneiros e feridos, testificaram como o padre morto, a 3 de Janeiro de 1915., o que diz um deles? Isto:

" se eu estivesse na frente, eu seria fuzilado, porque defesa foi feita para contar, sob pena de morte o que eu vou dizer: você ficou espantado com o nosso recuo tão sofrido quando chegamos às portas de Paris. Não pudemos ir mais longe, uma virgem estava diante de nós, braços estendidos, empurrando-nos sempre que tínhamos ordem para avançar. Durante vários dias, não sabíamos se era uma das suas santas nacionais, genevieve ou Joana D ' Arc. Depois disso, entendemos que era a Virgem Santíssima que nos pregava no local.

A imagem pode conter: céu, atividades ao ar livre e natureza

NO DIA 8 DE SETEMBRO, ela afastou-nos com tanta força, que todos nós, como um só homem, fugimos. O que estou a dizer-vos, provavelmente vão ouvir mais tarde, porque talvez tenhamos sido 100.000 homens que a viram. "

Padres, freiras... será que vamos acreditar em boatos de preconceituosos quando escrevemos a história? Este é outro testemunho, que é de dois oficiais alemães feridos. Uma voluntária enfermeira acompanha-os na ambulância da cruz vermelha francesa e até à sala do hospital onde eles iam ser tratados. Lá dentro, eles vêem uma estátua da virgem de Lourdes, e um deles escreve: " Die Frau von der marne Oh, meu Deus! A Virgem do marne! ). O seu companheiro deu-lhe a enfermeira para que ele se calasse, porque ela os ouvia. Tentou, mas em vão, fazê-los falar enquanto lhes fazia os seus cuidados.

Esta história cruza-se com outro, escrito por uma freira que cura os feridos em issy-Les-Paulo.

O que é que ela está a trazer? Isto:

" foi depois da batalha do marne. Entre os feridos tratados na ambulância de issy, encontrava-se um alemão muito gravemente ferido e considerado perdido. Graças aos cuidados que lhe foram prestados, ele viveu mais de um mês. Ele era católico e testemunhou grandes sentimentos de fé. Os Enfermeiros eram todos padres. Recebeu a ajuda da religião e não sabia como testemunhar a sua gratidão. Ele dizia muitas vezes: "Gostaria de fazer algo para lhe agradecer". finalmente, no dia em que recebeu a extrema-Unção, ele disse aos enfermeiros:

" você me tratou com muita caridade, eu quero fazer algo por você, contando o que não está em nossa vantagem mas que o fará feliz. Vou pagar um pouco a minha dívida. Se eu estivesse na frente, seria fuzilado, porque a defesa foi feita para falar sobre isso. " Ele falou da visita da virgem que épouvanta os soldados alemães e provocou a sua fuga.

Numa outra ambulância, foi registado um testemunho semelhante: um soldado alemão estava a morrer. Ele foi atingido pela dedicação perfeita da freira francesa que o estava a tratar. Então, ele diz-lhe:

" Irmã, acabou-se, em breve estarei morto. Quero agradecer-lhe por me ter tratado tão bem, que eu sou um inimigo. Então vou dizer-lhe uma coisa que lhe vai dar muito prazer. Neste momento, estamos a avançar muito em França, mas, apesar de tudo, no fim, é o seu país que vai ganhar.

A imagem pode conter: céu e árvore

Como é que sabe?

Na batalha do marne, vimos a virgem virgem nos afastar. Ela está a proteger-te contra nós. Os oficiais defenderam-nos, sob pena de morte, para falar sobre esta visão. Mas agora estou acabado. Quando eu morrer, você pode contar a coisa, desde que não me chame " Ele deve ter medo de represálias contra a sua família.

" durante vários dias, toda a nossa divisão viu diante dela, no céu, uma senhora branca com um cinto azul flutuante e um véu branco. Ela virou-nos as costas e assustava-nos muito. Em 5 de setembro de 1914, recebemos a ordem de avançar e tentámos fazê-lo: mas a senhora pareceu tão deslumbrante e nos-nos com as suas duas mãos de forma tão assustadora que todos nós fugimos. "

Em Liège, logo após o armistício, um soldado confiou à sua anfitriã que se mal de anotar as suas palavras:

" Oh, meu Deus Desde o início da guerra, eu sabia que no final seríamos derrotados. Posso dizer-lhe isso porque sei que não o vai dar aos nossos oficiais. " a antiga proibição era sempre assim.
Ele disse: " na primeira batalha do marne, tínhamos diante de nós, no céu, uma senhora branca que nos virava as costas e nos afastava das suas duas mãos. Apesar de nós, estávamos em pânico, não podíamos continuar a avançar. Pelo menos três das nossas divisões viram esta aparição. Deve ter sido a Virgem Santíssima.

A certa altura, ela nos-nos tanto que todos nós fugimos, oficiais como os outros. Mas, no dia seguinte, eles defenderam falar sobre isso sob pena de morte: se todo o exército soubesse, teria ficado muito triste. Para nós, não tínhamos o coração para lutar, já que Deus estava contra nós. Era certo que íamos para a morte por nada, mas tínhamos de andar na mesma. Não podíamos fazer de outra forma. A guerra é difícil. "

Mas em França, o que dizia? O silêncio foi a única resposta oficial? É certo que a igreja de França foi atenta, pelo menos no início. Os Bispos, tais como o bispo caça e o bispo tissier, entre outros, anteciparam no púlpito o "milagre do marne", mas com reserva, uma vez que a proibição de falar do de feito aos soldados alemães, sob pena do pior, impedia toda a gente. Inquérito que teria permitido estabelecer um caso específico. Os seus ouvintes, no entanto, eram entusiastas e garantiram a exactidão-Titude Dos Factos. Depois, uma vez que o horror passado, sem dúvida, se pensou em outra coisa... quanto ao estado francês, ele se naturalmente, do mesmo modo o exército francês, o que espanta, e os historiadores que estudaram esta Campanha, o que surpreende.

O que fazer hoje? Há que suscitar os últimos testemunhos ainda possíveis, fazer pesquisas nos arquivos, estabelecer rapidamente o dossier e dizer aos franceses e aos alemães o que realmente aconteceu nesses dias. Só para agradecer a que se dedicou assim a nosso favor: apenas o suficiente para impedir o colapso da França sem que seja alcançada a liberdade dos homens.


https://www.facebook.com/groups/filhosespirituaisdepepio/pending/?notif_id=1526250434104654&notif_t=group_post_approval_request&ref=notif

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Novena dos "54 terços"

Ladainha à Nossa Senhora da Defesa.

LADAINHA DE NOSSA SENHORA EM LATIM